2016, Companhia das Letras, Favoritos, Ficção, Penguin, Resenha

Dom Quixote

Dom Quixote, de Miguel de Cervantes

“Enfim, acabado seu juízo, foi dar no mais estranho pensamento em que jamais caiu louco algum: pareceu-lhe conveniente e necessário, tanto para o engrandecimento de sua honra como para o proveito de sua pátria, se fazer cavaleiro andante e ir pelo mundo com suas armas e cavalo em busca de aventuras e para se exercitar em tudo aquilo que havia lido que os cavaleiros andantes se exercitavam, desfazendo todo tipo de afrontas e se pondo em situações de perigos pelos quais, superando-os, ganhasse nome eterno e fama.” (p. 64)

Um dos maiores cânones da Literatura ocidental, Dom Quixote de la Mancha, do autor espanhol Miguel de Cervantes, tem uma influência gigantesca na cultura ibérica e em seus “filhotes” da América Latina. Afinal, quem nunca viu uma referência ao engenhoso fidalgo, seja em livros, filmes, personagens, ilustrações…?

Quixote é um homem apaixonado por livros de cavalaria. Devorou-os todos e os conhece de cor. Certo dia, decide que é sua missão andar pelo mundo a procura de ajudar os humildes e oprimidos, como é dever de qualquer cavaleiro andante. Inicia seu projeto anacrônico vestindo uma armadura obsoleta e enferrujada, encilhando seu magro e tísico cavalo Rocinante, e partindo em busca de quem lhe nomeie cavaleiro. Mais tarde, junta-se a ele seu fiel – e ingênuo – escudeiro, Sancho Pança.

A obra Dom Quixote é a narração das diversas aventuras vividas pelo Cavaleiro da Triste Figura e Rocinante, Sancho Pança e seu burro. Tudo em nome da formosa (e imaginária) donzela Dulcineia del Toboso, a musa inspiradora de Quixote. Essas aventuras envolvem sempre confusões em que o cavaleiro se mete por querer defender algo que não quer ou não pode ser defendido; seus discursos rebuscados levam a brigas com outras pessoas que viajam pela estrada ou se hospedam na estalagem. São brigas de verdade, com socos, pontapés, dentes arrancados, ombros moídos e cabeças arrebentadas. Apesar de toda essa violência, o livro nos faz rir. O tempo todo.

O volume 2 segue exatamente o mesmo tom cômico-aventuresco, o que é bastante impressionante, considerando que foi publicado dez anos depois do primeiro volume. Uma diferença entre os dois é que, no segundo tomo, os personagens reconhecem Dom Quixote de la Mancha e seus feitos, pois já leram sobre suas façanhas no volume 1 – assim como nós, leitores. Isso talvez torne tudo ainda mais leve, pois as pessoas o tratam de maneira respeitosa, ainda que com a intenção de se divertir às suas custas.

Me surpreendi imensamente com o humor de Dom Quixote; ninguém nunca tinha me dito que o livro seria tão engraçado. Os disparates do protagonista e a inocência de Sancho são hilárias. Outro aspecto que me causou admiração foi o tom informal da obra, o quanto é possível compreender seu espírito, mesmo que sua primeira publicação, de estrondoso sucesso, tenha sido na Espanha no ano de 1605! Acredito que grande parte deste mérito seja do tradutor da edição que li, do selo Penguin Classics (Companhia das Letras). Ernani Ssó esclarece pontos interessantíssimos no início do primeiro tomo, e fala sobre suas escolhas como tradutor. Diz que escolheu manter esse ar zombeteiro em detrimento da absoluta fidedignidade às palavras e expressões. Optou por manter o sentido das piadas e ditados, o que em minha opinião, funcionou muito bem e me aproximou da história e dos personagens.

Dom Quixote, por Pablo Picasso (1955)

Um ponto curioso é que Cervantes escreveu este livro despretensiosamente, e fez muito sucesso à época de sua publicação, no início do século XVII. Foi pensada para ser uma leitura de entretenimento, e acabou por se tornar um clássico absoluto. No próprio livro (final do tomo 1), existe um debate entre um cônego e um padre sobre qual é a função da Literatura, ou seja, para quê ela serve. Afinal de contas, o próprio Quixote enlouquece graças a ela – pelo menos assim pensa sua comunidade. Esta é uma discussão que continua atual: a Literatura deve ensinar além de divertir? Toda Literatura de entretenimento é ruim?

Além do tema da loucura, percebe-se no fundo da obra – embora esta não seja obviamente o propósito primordial – uma crítica a autoridades e normas sociais, e reflexões sobre solidão, coragem, amizade e fidelidade. Quixote é um sonhador, tem pensamentos idealistas. Ele tem a intenção boa de reduzir as injustiças e maldades; mas faz isso por caminhos que são incompreensíveis para os personagens que estão ao seu redor.

Dom Quixote e os moinhos, por Salvador Dali (1945)

Existem alguns outros aspectos dignos de menção: mecanismos que Cervantes utiliza para criticar as autoridades ou bajulá-las (por exemplo, coloca na fala do padre elogios aos censores de livros, uma forma sutil de tentar agradá-los para que não censurem o próprio Dom Quixote; para em seguida colocar um questionamento na fala de Quixote), algumas visões sobre mulheres (por um lado, há personagens masculinos as condenam ou as julgam de maneira machista, como era corrente na época; por outro, dá voz a algumas dessas mulheres, para que elas questionem essas percepções).

Visions of Quixote, de Octavio Ocampo (1989)

O único aspecto que desanima no livro, a meu ver, é seu enorme volume. É realmente uma obra bem grande, mas lendo-a aos poucos, saboreando e aproveitando seus momentos, será de ótima diversão! É absolutamente compreensível o porquê de esta obra monumental ter se tornado um dos primeiros exemplos de Literatura moderna do mundo. E, principalmente, o porquê de o protagonista ter se tornado um personagem tão icônico. É impossível ficar indiferente ao valente e sonhador cavaleiro da triste figura, o engenhoso fidalgo Dom Quixote de la Mancha.

Clique aqui para comprar Dom Quixote (caixa com 2 volumes) da editora Penguin-Companhia pela Amazon (comprando por este link, você gera uma comissão para o Redemunhando)

Clique aqui para comprar Dom Quixote (caixa com 2 volumes) da editora Nova Fronteira pela Amazon (comprando por este link, você gera uma comissão para o Redemunhando)

+ info:

Dom Quixote de la Mancha / Miguel de Cervantes; tradução e notas Ernani Ssó; introdução John Rutherford; posfácios Jorge Luis Borges, Ricardo Piglia.
São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012.
650 páginas (vol. 1).
668 páginas (vol. 2).

classificação: 5 estrelas

grau de dificuldade de leitura: MEDIO

Obrigada pela leitura!

Ficarei muito feliz se você deixar um comentário! (Para fazer isso, é necessário clicar em “comentários”, um pouco abaixo do título do post. E não se esqueça de logar antes de escrever o comentário, para que ele não seja perdido.)

Se gostou da resenha, compartilhe com seus amigos!

Anúncios
Padrão

2 comentários sobre “Dom Quixote

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s