Favoritos, Ficção, Harry Potter, Resenha, Rocco, Séries e trilogias

Harry Potter – livros 4, 5, 6 e 7

 Harry Potter (saga), de J. K. Rowling (PARTE 2: livros 4, 5, 6 e 7)

 

*ATENÇÃO: esta resenha pode conter spoilers.

Continuando minhas impressões da releitura da série Harry Potter (para ver a PARTE 1, clique aqui!):

Harry Potter e o Cálice de Fogo

O Cálice de fogo talvez seja um dos volumes com mais ação da saga; o Torneio Tribruxo e a ascensão de Voldemort são os motores de toda a aventura e tensão do livro. Acho que gostei mais dele na releitura do que na primeira vez que o li!

Não me lembrava de quanto o Rony está rabugento na primeira metade deste livro! Quase todos os seus comentários são negativos, ou xingando, ou virando o nariz para alguma coisa; me irritou um pouco. Ah! E é neste volume que aparece a odiável repórter/mentirosa Rita Skeeter.

Harry Potter e a Ordem da Fênix

111771772_6GG

Esse era o livro de que menos gostava na saga na primeira vez que a li. Isso mudou. Mas a irritação com o livro veio porque Harry está num momento de muita tensão: com 15 anos (hormônios!), Lord Voldemort acaba de retornar com força (mas com cautela, escondido, o que faz com que pouca gente acredite no relato de Harry a respeito de seu retorno), e Harry parece uma pilha de nervos. Conversar com ele durante esse ano equivale a pisar em ovos: é necessário extremo cuidado com o que se diz e como se diz, senão ele “explode” e tem um chilique.

Agora, aos pontos positivos: gosto de acompanhar os alunos se preparando para os N.O.M.s – ou seja, a “vida normal” transcorrendo na escola -, e principalmente a criação do cargo de Alta Inquisidora de Hogwarts, dado à detestável Dolores Umbridge. Esse aspecto do livro é muito sombrio, pois muito real. Ele fala a respeito de censura, manipulação política e midiática, tortura, leis autoritárias. Ou seja, Umbridge e o Ministério da Magia implantam uma verdadeira ditadura em Hogwarts, para impedir que Harry Potter alerte a todos a respeito do perigo iminente do retorno de Voldemort. O objetivo ali é calá-lo à força.

Reparei que Gina Weasley tem realmente um papel crescente nos livros. Da primeira vez que li, pensava que ela era muito apagada, apenas a irmãzinha de Rony e que de repente, torna-se importante. Mas não: sua personalidade forte sempre esteve ali, a conta-gotas.

E é incrível como não lembrava de quase nada deste livro. Me espantei especialmente com a visita de Harry & amigos a Saint Mungus, o hospital bruxo (sério, isso tinha sido simplesmente apagado da minha mente!), entre outras coisas.

É um livro onde muitas coisas são misteriosas a princípio, e é uma delícia acompanhar o trio por mais um ano em Hogwarts. Várias coisas acontecem em A Ordem da Fênix. Gostei muito mais do livro nesta releitura!

Harry Potter e o enigma do príncipe

Este, reli durante a Maratona Literária de Inveno (#MLI2015). Mas foi uma releitura que mais pareceu “leitura inteira”! Fiquei abismada com o quão pouco me lembrava do livro – com exceção de algumas cenas bem marcantes…

Não lembrava que havia uma cena no início do livro em que Narcisa Malfoy de fato firma o voto perpétuo (lembrava apenas do cumprimento desse voto), nem que Dumbledore ia buscá-lo na casa dos Dursley, nem que Harry passava essas férias de verão nA Toca, nem que eles visitavam o Beco Diagonal e a loja Gemialidades Weasley, etc., etc., etc.!

Gina continua ficando mais e mais interessante (como pude ser #TeamCho por tanto tempo?!), sua personalidade é uma das mais legais e ousadas da série.

Dumbledore está muito presente neste volume (diferentemente do Ordem da Fênix), e de maneira mais humanizada, mais próxima de Harry (não simplesmente como o diretor da escola distanciado). A penseira aparece bastante para nos fazer tomar conhecimento do passado de Voldemort / Tom Riddle, e este é um recurso genial de Rowling para fazer flashbacks!!!

 

Harry Potter e as relíquias da morte

Caramba, que livro bom! Definitivamente, reler a série toda, agora adulta, me deu a possibilidade não só de compreender melhor todas as pistas que Rowling deixou ao longo dos livros, mas também de retomar os últimos livros. Apesar de terem sido, obviamente, os que li por último, não eram eles que mais tinham “ficado” na minha cabeça. É como se as cenas dos três primeiros livros tivessem sido mais marcantes para mim na infância. Agora, percebo que os três últimos constituem o fechamento perfeito para a série.

Neste volume, Lord Voldemort e seus seguidores tomaram o poder de fato, e todos aqueles que apoiam Harry Potter, apoiaram Dumbledore e são contra o Lorde das Trevas, serão perseguidos. Por isso, o trio (e quase toda a Ordem da Fênix) passa a viver na clandestinidade, mudando-se de um ponto remoto da Grã-Bretanha ao outro. A missão deles é identificar objetos que são horcruxes e destruí-los. Mas eles  têm problemas enormes: não sabem por onde começar, muito menos como terminar.

Acontece muita muita muita coisa neste último volume e, em certos momentos, domina um tom melancólico.

Na minha opinião, a maneira como Rowling resolve a história, o final, é perfeita. Pensava que ela iria deixar metade do público leitor de Harry Potter insatisfeita, mas a mulher é um gênio. Não subestimou os leitores nem os personagens, e a história praticamente não teve lacunas ou pontas soltas ao terminar. Antigamente, odiava o último capítulo (o último de todos), mas hoje entendo o porquê de ela ter feito isso, embora ainda não goste dele.

Nem preciso dizer que chorei, né? Mas o mais impressionante foi que chorei lendo a dedicatória e as epígrafes. Ou seja, antes de começar o livro. Vai entender. Coisa de fã.

 

Sobre a série inteira:

É notável a capacidade de J. K. Rowling de manter o nível de tensão alto durante a série inteira; são raros os capítulos em que nada acontece. Ela mostra detalhes aparentemente supérfluos, mas que mais tarde serão explicados (por exemplo, em A Câmara Secreta, Harry escorrega numa poça d´água – algo inútil a princípio -, mas que se revelará uma pista importante sobre o monstro que se esconde por trás das paredes). Isso sem falar de aspectos que não são explicados no próprio livro, mas apenas no fim da série. São elementos que dão um ótimo ritmo de leitura; não é à toa que tantos leitores se formaram com Harry Potter.

Durante a releitura da série inteira, não pude me esquivar de pensar nos personagens como os atores dos filmes (aliás, perfeitamente escolhidos para os papéis, pela aparência, e também pela personalidade), coisa que não me agrada tanto, porque perdi aquele elemento puramente imaginativo da primeira vez que li e os filmes ainda não haviam sido lançados. Mas isso era inevitável que acontecesse, e já era de se esperar.

Aliás, dias antes de começar a reler, conversei com minha amiga Patrícia sobre isso, e ela comentou que não tinha vontade de reler Harry Potter pois não queria perder a sensação que tinha tido da primeira vez que leu. Achei um argumento extremamente válido. Dito isto, respeito a posição de quem pensa assim, mas amei ter relido e não me arrependo nem por um minuto.

Os personagens são incrivelmente bem construídos e complexos, dificilmente vemos apenas um lado de algum dos personagens – mesmo dos vilões. Rowling explora de maneira magnífica todas as nuances deles: momentos de insegurança, dúvida, coragem, fragilidade, força, raciocínio, conflito, arrogância. O destaque é para Snape, na minha opinião um dos melhores personagens da literatura (sim, de todos os tempos).

Sem dúvida a série apresenta um crescente em relação a amadurecimento. Não só os personagens amadurecem, mas também a história como um todo, a qual vai-se tornando mais e mais sinistra ao longo dos livros. Gosto muito de como a autora revela as coisas aos poucos, sem pressa, livro a livro – e, ainda assim, sem enrolação. É descritiva e objetiva na medida certa. Ou: Rowling “não dá ponto sem nó”.

Por isso, recomendo a quem quiser ler Harry Potter que não pare de lê-lo após ler apenas um ou dois livros. A obra toda consiste nos sete, não dá para parar no meio e compreender sua grandeza. Para quem já é adulto, isso pode ser um pouco penoso, já que os primeiros apresentam características mais juvenis. Reafirmo: continue lendo. Pelo menos nos dois volumes derradeiros, você vai se apaixonar.

Por último, não sou a Hermione mas gostaria de deixar meu protesto contra as quebras de regras da escola (e da vida!) que Harry, Rony e a própria Hermione praticam nos primeiros livros. Eles acham que vão ser expulsos de Hogwarts umas dez vezes e, no final das contas, só perdem pontos da Grifinória (e às vezes os ganham!) por isso, e recebem algumas punições do tipo lustrar troféus de quadribol da escola. Vou dizer que Hogwarts foi muito permissiva e eles, imprudentes. (Isso significa que agora sou adulta, eu acho.)

classificação:  5 estrelas

FAVORITO

grau de dificuldade de leitura: FACIL
(Obra recomendada para um público adolescente, jovem adulto e adulto interessado em fantasia)

+ info:
Harry Potter e o Cálice de Fogo / J. K. Rowling; trad. Lia Wyler.
– Rio de Janeiro: Rocco, 2001.
535 páginas.

Harry Potter e a Ordem da Fênix / J. K. Rowling; trad. Lia Wyler.
– Rio de Janeiro: Rocco, 2003.
472 páginas.

Harry Potter e o Enigma do Príncipe / J. K. Rowling; trad. Lia Wyler.
– Rio de Janeiro: Rocco, 2005.
704 páginas.

Harry Potter e as Relíquias da Morte / J. K. Rowling; trad. Lia Wyler.
– Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
551 páginas.

Anúncios
Padrão

14 comentários sobre “Harry Potter – livros 4, 5, 6 e 7

  1. Nossa, os livros em que acontecem zilhões de coisas! haha
    Acho O Cálice de Fogo o livro mais divertido da saga até a parte em que Harry vai parar no cemitério com o Cedrico, pois ali marca uma virada na trama da série: a magia que deslumbra dá lugar ao combate a Voldemort. Aliás, o quarto filme é o meu preferido! A Ordem da Fênix é o meu livro favorito de HP, sem pestanejar. É o maior, mais denso, mais cheio de nuances políticas, tenso ( E TEM A LUNA LOVEGOOD, MEU POVO)! #LUNA<3 Sério, adoro esse livro, foi o que mais me marcou, me instigou da saga. Eu fiquei numa ressaca tão profunda após ele que não sabia com a J.K iria se superar no sexto. Digamos que o Enigma traz uma certa leveza que havia até o Cálice mas que tb revela o cerne da questão para derrotar Voldemort, o que vem a ser mega-importante. Uma das coisas de que mais gosto são de novo Luna e suas lunices, Rony e Hermione vivendo seu próprio seriado americano teen com seus amores desencontrados kkkk e a Felix Felicis. Fora que o próprio lance do livro do tal Príncipe é genial. Eu não curto a Gina, confesso até que vi ( ou quis ver) um clima entre Harry e Luna, mas acho que foi um final coerente. As Relíquias foi um desenvolvimento totalmente inesperado para a saga, na minha opinião. J.K. passou seis livros explorando cada cantinho de Hogwarts para, no último volume, jogar a gente no mundo, como assim?! kkk Me senti uma andarilha junto com Harry, Rony e Hermione. kkkk Mas adorei a forma como ela conduziu td, nada foi fora de lugar, enfim, faço minhas as suas palavras. Genial, atemporal, incrível: HP delineou a nossa geração e eu tenho mto orgulho disso.

  2. Quando vc diz que gostou do último capítulo do 7o livro…vc quer dizer sobre o acontece com eles no futuro? Ou é antes disso?
    Para ser sincera..não lembro muito dos livros porque mistura muito com o que vi nos filmes rsrs Sinal que não seria uma má idéia reler a série xP

  3. Nossa, eu nao suportava o 4o livro…aquela copa de quaribol era um saco e demorava horrores…e o começo do 5o livro tb era meio chato, tinha a Cho toda se querendo e o Harry vinha com uns papos “Nossa, e o Cedrico hein? MORREU, que coisa!” – auhuhahuahu. E eu realmente nao curto a Gina, shippei muito Harry e Luna, mas sabia que era um desejo impossível.
    Eu já gosto bastante do 6o e do 7o, principalmente por causa das horcruxes e das backstories do Snape, Voldemort e Dumbledore, que torna esses personagens muito melhor construídos.

    • Caramba, o 4o livro é o favorito de tanta gente, achava que vc gostava!!! Porque tem muita ação e tal… mas nunca foi meu favorito também.
      A Cho, putz… sem comentários para suas fugas do assunto… 😛
      Tenho a impressão de que em uma releitura, vc gostaria mais da Gina (pelo menos foi isso que aconteceu comigo, e olha que eu não gostava nem um pouco dela!).
      Caramba, o 6o e o 7o livros são arrasadores, explicam a maioria das coisas!!! ❤
      Beijoooo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s