2014, Alfaguara, Ficção, Resenha

A casa verde

A casa verde, de Mario Vargas Llosa

 “Foi assim que a Casa Verde nasceu. A construção levou muitas semanas; as tábuas, as vigas e os tijolos precisavam ser arrastados da outra ponta da cidade, e as mulas alugadas por don Anselmo avançavam com dificuldade pelo areal. O trabalho começava de manhã, quando a chuva seca parava, e terminava quando o vento aumentava. De tarde, o deserto engolia os alicerces e enterrava as paredes, as iguanas roíam as madeiras, os abutres faziam seus ninhos na incipiente construção, e toda manhã era preciso refazer o que tinha sido começado, corrigir os planos, repor os materiais, num combate surdo que foi galvanizando a cidade. ‘Quando o forasteiro vai se dar por vencido?‘, perguntavam-se os vizinhos. Mas os dias transcorriam e, sem se abater com os percalços nem se contagiar pelo pessimismo dos conhecidos e amigos, don Anselmo continuava desenvolvendo uma assombrosa atividade. (…)
Quando a casa ficou pronta, don Anselmo determinou que fosse totalmente pintada de verde. Até as crianças caíam na gargalhada quando viam aquelas paredes cobertas por uma pele cor de esmeralda que emitia reflexos escamosos quando o sol batia. (…)
(…)
Era como se o ar estivesse envenenado – diziam as velhas da avenida do porto. – A música entrava em todos os lugares, mesmo que fechássemos as portas e janelas, nós a escutávamos enquanto comíamos, enquanto rezávamos e enquanto dormíamos.
E imagine as caras dos homens quando ouviam – diziam as beatas sufocadas em seus véus. – E imagine como aquilo os tirava dos lares, como os atraía para a rua e empurrava para a Ponte Velha.
E não adiantava rezar – diziam as madres, as esposas, as namoradas -, de nada serviam os nossos prantos, as nossas súplicas, nem os sermões dos padres, as novenas, nem sequer os triságios.
Estamos com o inferno nas nossas portas – trovejava o padre García –, qualquer um veria, mas vocês estão cegos. Piura é Sodoma e Gomorra.
Talvez seja mesmo verdade que a Casa Verde nos trouxe azar – diziam os velhos, lambendo os beiços. – Mas como aproveitamos na maldita.” (p. 94-97)

Mario Vargas Llosa é um escritor peruano nascido em 1936 e vencedor do prêmio Nobel de Literatura em 2010.

Se não me engano, na disciplina de América Independente durante a faculdade, tínhamos que escolher uma obra (dentre várias de uma lista) para ler e resenhar. Vargas Llosa estava na lista com A festa do bode, mas eu acabei escolhendo Pedro Páramo e Chão em chamas, de Juan Rulfo (excelente, aliás. Gostaria de reler). Desta vez, me deparei na internet com uma promoção da Livraria da Travessa (descontos nos livros de autores latino-americanos!) e aproveitei para encomendar três de Vargas Llosa. A sinopse de A casa verde me chamou a atenção e ele ficou durante semanas “me chamando” na estante, então comecei por ele.

O livro conta com diferentes cenários – há basicamente dois (ambos no Peru, porém separados por muitos quilômetros de distância): uma cidadezinha chamada Piura, que sofre com tempestades de areia por se situar numa região desértica do país; e um povoado chamado Santa María de Nieva, sede de uma missão espanhola (freiras que catequizam meninas indígenas) e também de um posto da Guarda Civil, no meio da floresta Amazônica peruana.

Este foi meu primeiro contato com Vargas Llosa. Confesso que demorei muito (sério, umas 70 páginas) para me acostumar com a alternância de linguagens que o autor faz dependendo do núcleo de personagens de que trata: ora usa discurso direto, ora constrói os diálogos apenas com vírgulas – ou sem elas. Ele também intercala diálogos que acontecem no presente com flashbacks (o tempo todo!), o que não torna a leitura mais fácil.

Outra dificuldade que tive foi em compreender exatamente quem eram os personagens dentro da narrativa. Isso porque não existe um narrador propriamente dito (ou melhor, é sempre em terceira pessoa, mas muda de “formato” dependendo do parágrafo), o livro é em grande parte construído com base nas conversas. Portanto, temos acesso ao presente dos personagens sem conhecê-los exatamente (por exemplo, só temos noção da aparência física de um personagem quando algum amigo dele conta como ela é, ou pelo seu apelido, como “Pesado”, “Louro”, “Pequeno”), e também ao passado, mas apenas aquele que eles contam para quem quer que esteja conversando com eles. Ou seja, vamos acompanhando diálogos sem entender completamente quem fala, a quem fala e sobre o quê fala.

Há também diversos “núcleos” de personagens: uma moça indígena chamada Bonifacia que foi levada para a missão espanhola de freiras e ali se “civilizou” (aprendeu o idioma espanhol, foi catequizada); don Anselmo, um homem misterioso que chega à cidade de Piura e passa a morar lá, fundando um prostíbulo (a Casa Verde do título e do trecho inicial do post); Fushía, um brasileiro descendente de japoneses foragido, e que agora sobrevive de contrabandos e roubos de mercadorias para revenda; Lituma, sargento, tem um grupo de amigos (“os inconquistáveis”) na cidade de Piura e frequentam a Casa Verde. Aos poucos percebi que suas histórias eram paralelas no tempo e no espaço; às vezes se entrecruzavam, outras vezes, não. Por exemplo, Bonifacia, após ser expulsa da missão, vira esposa de Lituma e tem que prostituir-se na Casa Verde. Mas a história não é apresentada de maneira cronológica, então ora vemos Bonifácia morando no prostíbulo, ora na Missão, ora numa casa em Santa Maria de Nieva, sem saber exatamente o que veio antes ou depois e qual a conexão entre os fatos. Fiquei nessa confusão durante 75% do livro. Ao final (especialmente no posfácio), as peças do quebra-cabeças se encaixam e os núcleos se entrelaçam, o que me fez gostar bastante do final do livro.

Um dos núcleos de que mais gostei foi o da menina Antonia, que ficou cega e muda por conta de urubus que comeram seus olhos e língua, e a lavadeira que a adotou, Juana Baura. Infelizmente foi um núcleo pouquíssimo explorado, quase acessório. Mas me fez sentir extremamente curiosa – exatamente da mesma maneira que Ayesha, a menina das borboletas de Os versos satânicos! Sinceramente, acho que os autores deveriam ter escrito livros só sobre elas. Minhas sensações ao ler A casa verde foram muito semelhantes às de ler Os versos satânicos; em ambos, se eu reler já sabendo melhor da história, com certeza será uma leitura mais fluida e prazerosa (menos truncada).

Foi uma leitura confusa; demorei para terminar o livro (dava pausas gigantescas, quase desisti – após assistir ao vídeo abaixo, do Cabine Literária, percebi que precisava continuar).

Bem, em resumo, então: me perdi na cronologia da narrativa, que obviamente não é linear (não sei muito bem o que aconteceu antes ou depois, pipocam flashbacks na obra); senti falta de conhecer os personagens a fundo (achei difícil de situar quem era quem, já que a descrição das pessoas era mínima), e isso me deixou confusa a história inteira, pois desta maneira, não conseguia me lembrar o que tal personagem tinha dito ou feito anteriormente. Por outro lado, os lugares são ricamente descritos – não de uma maneira enfadonha! – e este é definitivamente um ponto positivo da obra. Outro é que o final é bom, esclarece alguns pontos de conexão entre os personagens e os tempos (foi o final que garantiu a quarta estrela para A casa verde).

Apesar disso, é um livro cheio de contrastes, pois às vezes é meio entediante, às vezes desperta completamente nossa curiosidade. Entrar em contato com diferentes personagens de locais diversos do Peru foi interessantíssimo, não posso negar. É uma leitura pesada, mas também uma viagem.

Não é qualquer tipo de público que irá gostar da obra, recomenda-se para adultos que gostem de desafios.

 

 + info:
A casa verde / Mario Vargas Llosa; tradução Ari Roitman e Paulina Wacht.
– Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.
406 páginas.

classificação: 4 estrelas
grau de dificuldade de leitura:
DIFICIL

Obrigada pela leitura!
Ficarei muito feliz se você deixar um comentário!
(Para fazer isso, é necessário clicar em “comentários”, um pouco abaixo do título do post. E não se esqueça de logar antes de escrever o comentário, para que ele não seja perdido.)

Se gostou da resenha, compartilhe com seus amigos!

Anúncios
Padrão

4 comentários sobre “A casa verde

  1. Nossa, que zona essa narrativa…Não sei se eu iria gostar. Interessante a comparação que você fez com os versos satânicos (eu também queria saber mais sobre a Ayesha!), mas acho que ali tinha um elemento de fantasia e de origem do islamismo que me prendia…se eu fosse ler a Casa Verde, iria precisar de algum elemento semelhante para não desistir 😛

    • Uma zona mesmo, Menchikos! Só insisti por orgulho (tinha que terminar!!!)… 😛
      Mas valeu a pena, no final das contas acabei gostando.
      Provavelmente não recomendaria pra você, seu estilo é um pouco diferente. Como vc, eu também adorei a história da Ayesha, e pra mim, o Rushdie podia ter feito um livro sobre aquela história, seria muito interessante! Da mesma forma, neste, o Vargas Llosa podia ter falado mais da menina. Mas enfim, quem sou eu né!!!!
      Obrigada pelo comentário! :*

  2. Eu tenho uma lacuna imensa com autores como o Vargas Llosa, por exemplo, mas esse livro aí parece realmente uma porta das mais complicadas para se entrar no universo dele, hein? Rsrsr. É do tipo de livro que eu só saberia se ia gostar lendo msm, mas adorei ( pra variar) sua resenha! Bjus, Feliz Natal, Ano Novo, que 2015 nos traga cada vez mais frutos!

    • É, acho que errei em escolher este como o primeiro! Hahahahaha!
      Mas tenho também o “A festa do bode”, que dizem que é excelente. Daqui a algum tempo eu arrisco.
      Beijos, muitos felizes Natal e Ano Novo para você também Karla – para todos nós!!! 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s